sw280497

A Revolução Francesa e a Cultura Ocidental



Para entendermos a Revolução Francesa, devemos compreender a França no século XVIII. Até o século 18, a França era um país que observava um modelo de autoritarismo monárquico. Naquela época, o rei Luís XVI da França visualizou o país e integrou seus poderes legislativos, administrativos e judiciais. Naquela época, os franceses não eram cidadãos de um país constitucional democrático que é comum em todo o mundo ocidental hoje, mas eram súditos do rei. A França era berço do movimento iluminista, você já se perguntou por que Paris é a Cidade Luz? Não, não é por sua iluminação pública, mas pelo pensamento que circulava de Liberdade, Fraternidade, e Igualdade durante o iluminismo.


Na segunda metade do século XVIII, a França esteve envolvida em várias guerras, como a Guerra dos Sete Anos contra a Grã-Bretanha (1756-1763) e a assistência prestada aos Estados Unidos durante a Guerra da Independência (1776). Além dessa atmosfera, a França também deve enfrentar duas crises:

1) Devido às más colheitas nas décadas de 1770 e 1780, causou 62% de inflação e crises rurais.

2) A crise financeira causada pela dívida pública acumulada deve-se principalmente à falta de modernização econômica e à falta de investimentos no setor industrial.


No final da década de 1780, a burguesia, os trabalhadores urbanos e os camponeses começaram a exigir que o rei e os tribunais respondessem à crise que os afetava, e começaram a exigir direitos mais amplos e maior representação na estrutura política francesa. Em julho de 1788, foi realizada uma reunião nacional geral, ou seja, uma reunião para considerar assuntos relacionados à situação política na França.


A burguesia, que liderou o povo, propôs em 10 de junho a convocação da Assembleia Nacional, o parlamento que criou a nova constituição para a França. O rei, nobres e clérigos seniores não responderam a essa sugestão. Em 17 de junho, mesmo que não houvesse resposta do primeiro e do segundo estado, a burguesia, os trabalhadores e outros membros do terceiro estado anunciaram sua própria constituição em uma reunião. Ao mesmo tempo, uma revolta eclodiu em Paris e nos agricultores. A revolução começou.


Em 14 de julho de 1789, as massas ocuparam a Bastilha, um símbolo do antigo regime. A Assembleia Nacional decretou uma série de decretos em 4 de agosto, que, entre outras coisas, privaram nobres de privilégios, como isenção de impostos e monopólio em terras cultivadas. A Assembleia Geral formulou a "Declaração de Direitos Humanos e Direitos Civis", que declara que os franceses têm status civil e não são mais súditos do rei.




Em setembro de 1791, a França promulgou uma nova constituição, que garantiu a cidadania de todas as pessoas e forçou o monarca Luís XVI a aceitar seus padrões. A Constituição também prevê igualdade perante a lei, censo, confisco de terras da igreja, fim do dízimo e constituição civil do clero. A partir desse momento, a França Revolucionária delineou seu primeiro novo governo, a monarquia constitucional, que durou de 1791 a 1792.


A facção mais radical da revolução, os jacobinos (que participaram da Assembleia Constituinte e sentaram-se no lado esquerdo da reunião plenária contra os Gilendinos que estavam à direita), defenderam a expansão da visão revolucionária. Os jacobinos queriam intensificar a pressão sobre os nobres e o clero e estabelecer uma república revolucionária sem monarquia.


O rei Luís XVI previu a ameaça à revolução e, com o apoio das monarquias austríacas e prussianas, lançou um levante contra-revolucionário. Depois de saber sobre o plano do rei, os parisienses invadiram o Palácio Thuleris e prenderam o rei e sua família. O rei e sua esposa Maria Antonieta foram à guilhotina em 1793, e a monarquia constitucional chegou ao fim no mesmo ano.



Robespierre, Saint-Just e Danton são os principais líderes da facção jacobina. Foi também durante esse período que a Áustria e a Prússia continuaram a guerra contra a França, temendo que a revolução se espalhasse em seu território. No processo de confronto com essas duas monarquias, nasceu o Exército Nacional Francês, ou seja: pela primeira vez, não era composto por mercenários e nobres, mas um exército composto pelo povo de um país que se considerava uma nação.


A burguesia esperava que Napoleão Bonaparte fosse um dos generais mais jovens e destacados da revolução para manter a situação política francesa em ordem. Quando Napoleão retornou à França do Egito em 1799, ele descobriu uma teoria da conspiração contra o governo. Foi nessa situação que ele começou a aparecer como ditador, iniciando inicialmente um golpe contra Brummel, e depois se tornando o imperador francês. A era napoleônica durou de 1800 a 1815, mudou o cenário político da Europa continental e, ao mesmo tempo, expandiu os ideais nacionalistas para várias regiões do mundo.




Assim, iniciou na Europa pós Independência Americana e Revolução Francesa o romantismo político, o nacionalismo, e a unificação de países como Itália em 1861, e Alemanha em 1870, configurava-se a era contemporânea ocidental.


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

(53) 98114-2754

R. Félix Xavier da Cunha, 613 - Centro, Pelotas - RS, 96010-000

Brasil, Brazil, Brasile

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube